Em “guerra” contra hepatites, Saúde faz treinamento para o “Julho Amarelo”

População está sendo recebida no SAE/CTA e nas unidades de saúde, para testes rápidos

Comprometida com o controle das hepatites virais, a Secretaria Municipal da Saúde de Marília, por meio do Programa de Prevenção às ISTs/Aids (Infecções Sexualmente Transmissíveis), promove este mês a “Campanha Julho Amarelo”. A meta é ampliar informação, conscientização, diagnóstico, acolhimento e vínculo dos pacientes positivos para tratamento.

Reunião preparatória, promovida nesta terça-feira (3), reuniu profissionais que realizam os testes rápidos nas UBSs (Unidade Básica de Saúde) e USFs (Unidade Saúde da Família). A campanha será intensificada entre os dias 16 e 30 de julho.

A enfermeira Alessandra Pereira, responsável pelo Programa de Prevenção às ISTs/Aids, vinculada à Vigilância Epidemiológica, afirma que este ano o foco das ações será nas pessoas com mais de 40 anos. “Foi estabelecida com as equipes meta de, pelo menos, um teste por dia, durante os sete dias. Faremos uma semana de prevenção e promoção, dentro das unidades de saúde, com as equipes trabalhando o tema hepatite no seu respectivo território”, disse.

Ela lembra que a meta considera, além de outros fatores, que a rotina das unidades prossegue com uma infinidade de outros serviços. Destaca também que o teste é absolutamente facultativo, ao usuário, por isso pode a recusa é bastante comum.

É importante esclarecer, afirma a enfermeira, do sigilo do resultado e da segurança do procedimento, que conforme o nome indica, é rápido e prático. Basta uma breve entrevista com profissional treinado e uma gota de sangue.

NÚMERO DE CASOS

Marília teve 43 notificações de hepatites virais em 2017. Nos seis primeiros meses desse ano, foram 15 confirmações.

Em 2018, a campanha Julho Amarelo teve cerca de 500 testes rápidos realizados; com três casos positivos confirmados na cidade. No período, também foram notificados novos casos de Aids e sífilis.

HEPATITE. O QUE É?

As hepatites virais são provocadas pelos vírus A, B e C. Existem, ainda, os vírus D e E, o último mais frequente na África e na Ásia. No Brasil, o Ministério da Saúde estima que milhões de pessoas podem ter os vírus B ou C no organismo, sem ter nenhum sintoma.

As hepatites causam a inflamação do fígado por ação viral, devido ao uso de alguns medicamentos, álcool e outras drogas. Doenças autoimunes, metabólicas e genéticas também podem ser causa da doença.

A transmissão varia de acordo com o vírus, podendo ocorrer por contato sexual, exposição vertical (mãe/filho), contato com objetos contaminados, fecal/oral e acidentes biológicos em geral.

Os testes rápidos para hepatites têm função de triagem. Em caso de resultado positivo, é necessária a realização de exame laboratorial, garantido pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

SERVIÇO

O SAE/CTA conta com funciona na rua Sete de Setembro, 793, das 7h às 18h. Mais informações podem ser obtidas pelos telefones 3451-2939 e 3413-7421.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *