Embraer e Boeing fazem acordo para aliança de US$4,75 bi em aviação comercial

A Embraer assinou memorando de entendimento com a Boeing para formação de joint venture contemplando os negócios e serviços de aviação comercial da fabricante brasileira, informaram as companhias nesta quinta-feira.

Pelos termos do acordo não vinculante, a Boeing deterá 80 por cento da companhia resultante da transação, enquanto a Embraer ficará com os 20 por cento restantes, de acordo com o comunicado.

A nova empresa deve tornar a Boeing a líder de mercado para jatos menores de passageiros, criando competição acirrada para o programa de aeronaves CSeries projetado pela canadense Bombardier e apoiado pela rival europeia Airbus.

A transação avalia a totalidade das operações de aviação comercial da Embraer em 4,75 bilhões de dólares, com a Boeing desembolsando 3,8 bilhões de dólares pelos 80 por cento de participação no negócio, disseram as companhias.

Para a Embraer, o anúncio da Airbus de que assumiria o controle do CSeries da Bombaerdier colocou peso real de marketing por trás do concorrente frágil, enquanto para a Boeing, o acordo transatlântico ameaçou expandir a base de receita e o potencial de geração de caixa de seu arquirrival europeu.

Os dois acordos representam o maior realinhamento no mercado aeroespacial global em décadas. O novo duopólio, colocando a Airbus e a Bombardier de um lado contra a Boeing e a Embraer do outro, fortalece fabricantes de aviões ocidentais estabelecidas contra novos concorrentes como a China, dizem analistas.

Às 12:30, as ações da Embraer negociadas no Brasil caíam quase 13 por cento, diante da decepção com os termos financeiros do tão aguardado acordo.

A transação coloca um valor abaixo do esperado na unidade de aviação comercial da Embraer, disse o analista do BTG Pactual Renato Mimica em nota a clientes. No entanto, ele ainda vê potencial de alta para as ações da empresa, destacando a potencial economia de custos com a parceria com Boeing.

As ações da Boeing, que buscava expandir a atuação no ramo de jatos de menos lugares, subiam 0,27 por cento.

FONTE : REUTERS BRASIL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *