Governo de Duterte defende restabelecimento da pena capital nas Filipinas

O Governo de Rodrigo Duterte seguirá adiante com o plano de restabelecer a pena de morte na Filipinas, apesar de papa ter declarado ontem ser “inadmissível” dentro do catolicismo, religião de mais de 85% dos filipinos.

O porta-voz presidencial, Harry Roque, afirmou nesta sexta-feira que o Executivo filipino “tentará persuadir com suavidade” os senadores para que aprovem a lei que pretende restaurar a pena capital na Filipinas, onde foi proibida em 2006.

“Continua sendo uma das prioridades da administração restaurar a pena de morte para os crimes mais graves relacionados com drogas. Mas a decisão está agora em mãos do Senado”, ressaltou Roque em entrevista coletiva.

A Câmara de Representantes filipina já deu sinal verde em março do ano passado a esse projeto de lei, que é uma das promessas eleitorais de Duterte como parte de sua brutal guerra contra as drogas que procura endurecer as penas para narcotraficantes.

A Conferência de Bispos Católicos da Filipinas, que se opôs desde o princípio a essa medida de Duterte, garantiu hoje em comunicado que a declaração do papa esclarece qualquer dúvida sobre a posição da Igreja Católica com relação à pena capital.

Os bispos filipinos precisaram que já “não há razão” para justificar a pena de morte e mostraram seu acordo com a mudança o catecismo que ontem foi aprovada pelo papa Francisco.

“A Igreja ensina, à luz do Evangelho, que a pena de morte é inadmissível porque é um ataque contra a inviolabilidade e a dignidade da pessoa”, afirma o novo catecismo.

Filipinas aboliu a pena de morte em 2006 durante a presidência de Gloria Macapagal Arroyo, que é desde em 23 de julho a nova líder da Câmara de Representantes e uma das principais aliadas de Duterte no legislativo filipino.

FONTE : EFE BRASIL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *