Justiça espanhola nega extradição de ex-enfermeira de Hugo Chávez

A Audiência Nacional da Espanha negou nesta sexta-feira a extradição de três cidadãos venezuelanos – a ex-enfermeira de Hugo Chávez, seu marido e outra pessoa ligada à companhia petrolífera PDVSA – por temer que seus direitos fundamentais fossem violados caso fossem extraditados.

Fontes deste órgão judicial informaram que o plenário da Audiência Nacional, composto por 20 magistrados, analisou hoje as reivindicações depois que três das suas salas se pronunciaram de maneira diferente.

Enquanto duas salas deram sinal verde à entrega da enfermeira de Chávez e seu marido, uma terceira optou por rejeitar a de José Ramón Sánchez Rodríguez, que foi contador da PDVSA.

O plenário revogou as duas extradições dadas pelas duas salas e ratificou o veto à entrega de Rodríguez.

Para basear sua decisão, a sala se baseou no fato de que dois detidos por sua relação com a companhia petrolífera, Diego Salazar e Enrique Luongo, estão há mais de um ano encarcerados nas instalações do serviço de inteligência venezuelano (Sebin) e só recentemente foram colocados à disposição do juiz sem que a Procuradoria venezuelana comparecesse á audiência.

Por outro lado, a Audiência Nacional não viu nenhum perigo em extraditar a enfermeira e o considerado guarda-costas de Chávez, Claudia Patricia Díaz Guillén e Adrián Velásquez Figueroa, acusados de terem recebido ajuda do escritório panamenho Mossack Fonseca para “blindar” uma fortuna não declarada e fruto da subtração de dinheiro público, segundo a reivindicação do Ministério Público da Venezuela.

A mulher, além de ser assistente de Chávez, durante dois anos foi tesoureira do governo venezuelano como responsável do Fundo Nacional para o Desenvolvimento Nacional (Fonden), de onde foi demitida um mês depois da morte do presidente da Venezuela, segundo ela, por se negar a assinar documentos quando o governante estava em seu leito de morte.

No caso deste casal, que manifestou que teve que fugir do país, o tribunal entendeu que não eram opositores ao presidente Nicolás Maduro porque este é “continuísta” de Chávez, a quem serviram, e que por isso não sofreriam represálias, apesar da alegação de perseguição política feita por ambos.

Com a decisão de hoje, o plenário da Audiência Nacional corrige a decisão de entregá-los diante da situação política conturbada na Venezuela, onde podem ter seus direitos fundamentais violados caso sejam extraditados.

Fontes da Audiência Nacional anunciaram que o auto que refletirá a decisão será publicado nos próximos dias.

FONTE : EFE BRASIL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *