Prefeito Daniel Alonso amplia CVA e melhora estrutura para o controle de zoonoses

Após construção de novo canil, número de vagas para cães em observação triplicou

A Prefeitura de Marília concluiu a construção de novo canil no CVA (Centro de Vigilância Ambiental), localizado na zona norte da cidade, triplicando o número de vagas para cães em observação. Iniciativa fortalece as ações do município no controle de zoonoses.

O espaço é voltado a animais que apresentam sintomas de doenças que podem ser transmitidas ao homem. Também são observados cães que atacaram pessoas ou estão errantes e com comportamento agressivo, gerando risco à população.

O prefeito Daniel Alonso destacou a conquista. “Num esforço imenso da nossa administração, estamos enfrentando, com a ajuda da sociedade, essa questão séria dos animais errantes. O Centro de Vigilância Ambiental é um espaço importante, que estava abandonado e agora terá mais condições para que os veterinários possam trabalhar”, anunciou o chefe do Executivo.

ESTRUTURA

O local contava com apenas 12 baias e com a reforma passou a ter 32. Devido a grande demanda, a ocupação já está definida. Castrados e acompanhados por veterinários, parte destes animais ganha um novo lar, mediante a doação com termo de responsabilidade.

Embora favoreça o bem-estar animal como consequência, o foco principal do serviço é a saúde pública. A médica veterinária Ticiana Donati dos Reis, coordenadora da Divisão de Zoonoses, explica que o investimento visa melhoria no controle de doenças.

“Importante ressaltar que o CVA não tem função de abrigo. Por isso pedimos a população que colabore com a posse responsável, divulgue o Centro como um local onde é possível encontrar cães saudáveis para doação, mas jamais faça descarte de animais neste e em nenhum outro canil, seja espaço público ou particular”, orientou.

POSSE RESPONSÁVEL

Castração, adoção e posse responsável são fundamentais, tanto para evitar superpopulação e maus tratos quanto para o controle de zoonoses. A secretária municipal da Saúde, Kátia Santana, lembra que os avanços nessa área dependem de esforços de toda a sociedade.

“Importante entender o papel da Saúde na questão dos animais domésticos. O recurso financeiro que a lei nos autoriza investir só pode ser aplicado no controle de doenças. Então, precisamos que cada um faça sua parte para que o município não tenha superpopulação e, consequentemente, falta de lar e alimentação”, disse a secretária.

NOVO LAR

Saudável após observação no CVA, o cão que recebeu o nome de “Pudim” dos servidores acaba de encontrar um novo lar. Ele tem três anos e foi resgatado pelo Corpo de Bombeiros. Agitado e brincalhão é o tipo de animal que precisa de espaço.

Nesta terça-feira (31) Pudim “se deu bem”. Foi adotado pelo casal Júlio e Eliete Moraes, residentes no distrito de Rosália. “Dois cachorros que a gente tinha morreram e como gostamos muito de animais viemos adotar”, conta o morador.

Para os veterinários do Centro de Vigilância, a adoção de um animal saudável é motivo de satisfação. “Dessa forma cumprimos a nossa missão, atuando no controle de zoonoses, e vamos além, possibilitando um novo lar para um cão abandonado”, destacou Ticiana Donati dos Reis.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *