Secretaria de Saúde diz que reforma melhora serviço de exames laboratoriais, atende sem filas e economiza 40% dos recursos

Uma reclamação que todos já devem ter ouvido de quem procura o atendimento público de assistência à saúde é a fila nos exames laboratoriais. Sabendo deste gargalo a atual administração municipal fez algumas alterações para corrigir procedimentos e vem colhendo bons resultados.

Vamos entender como funcionava e como funciona o sistema hoje.

Antes das reformas, os exames laboratoriais, na atenção básica, no centro de especialidades e no atendimento hospitalar, eram feitos mediante contrato. Este contrato era por um valor fechado, ou seja, todo mês era paga uma quantia fixa, independentemente da realização ou não dos exames. Se fossem feitos 10, 50 ou 100 exames, o valor mensal pago era o mesmo. Além disto, os insumos utilizados para a realização dos exames, como seringas, luvas, gazes, entre outros, eram de responsabilidade da SMS – Secretaria Municipal de Saúde -, a mão de obra na coleta dos exames dentro do Hospital era de responsabilidade da equipe do Hospital, e quando o médico pedia um exame a pessoa tinha que se dirigir até o local indicado para fazer a coleta.

Para mudar o sistema, a SMS levantou qual era a média histórica de utilização, quais exames pertenciam à urgência e emergência, ao serviço ambulatorial e ao serviço hospitalar. Com estes dados uma licitação foi aberta e houve um empresa vencedora. Agora o pagamento não é por um valor fixo mensal, mas por produtividade. Paga-se à empresa ganhadora os exames que foram realizados naquele mês. Isto vem acontecendo desde março de 2018.

No sistema antigo eram repassados R$ 50 mil ao mês à empresa que realiza os exames, independente da realização ou não dentro do período.

Hoje os pagamentos são por produtividade, ou seja, só os exames realizados dentro do mês é que são pagos.

A média de gastos com os exames atualmente é de R$ 28 mil, e, no mês em que mais se pagou por exames devido ao aumento da demanda, o valor não ultrapassou os R$ 30 mil. Por consequência podemos afirmar que a economia gerada com esta nova maneira de realizar os exames é próxima dos 40% ao mês.

A secretária Municipal de Saúde, Nátalli Gaiato Cruz, falou sobre os agendamentos: “Nós temos três formas de exames: os da especialidade, os da atenção básica e os de nível hospitalar. Quem solicita são os médicos do Centro de Especialidades, das USFs e do Hospital. O paciente retira sua solicitação de exame na consulta médica, vai até o posto de coleta ao lado da UPA. Este posto foi montado pela empresa que presta este serviço e utiliza insumos e equipe próprios. Não tem espera nenhuma. Os resultados dos exames são dispensados online em dois ou três dias, dependendo do tipo de exame. Os exames de urgência são dispensados no mesmo dia a partir das 14 horas. Já os exames solicitados pelos médicos da UPA, a cada duas horas o biomédico da empresa contratada passa recolhendo todos os exames e dispensa os exames online”.

FONTE : GARÇA ON LINE

    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *