Vacinação antirrábica segue sábado; zoonoses alerta para a segurança

A Divisão de Zoonoses da Secretaria Municipal da Saúde alertou a população para evitar acidentes durante a campanha de vacinação em cães e gatos. Uma das preocupações é com o grande número de crianças desacompanhadas de adultos, levando animais para serem vacinados. Neste sábado (22), as equipes estarão nas regiões leste e oeste, em 24 pontos estratégicos, incluindo unidades de saúde, praças, escolas, entre outros.

O médico veterinário Lupércio Garrido Neto, que integra a equipe responsável, destacou ser “fundamental que os cães e gatos sejam levados aos locais de vacinação por pessoas capazes de conter os animais”.

Segundo ele, nas edições anteriores da campanha foi comum surgirem cães mal conduzidos (sem coleira e guia adequadas), levados por crianças ou adolescentes. “Isso pode colocar em risco a segurança do próprio menor, dos transeuntes e profissionais”, disse Garrido.

Vacinação Antirrábica 2018 - LESTE-OESTELESTE/OESTE

Este será o segundo sábado de campanha, desta vez nas zonas leste e oeste. Na semana passada (15 de setembro), foram vacinados 5.824 cães e 647 gatos na região norte da cidade, durante abertura da campanha.

“Pedimos às pessoas que moram na zona norte e que, porventura, não puderam levar o animal, que ainda façam neste sábado nos postos disponíveis”, destacou Garrido.

As equipes trabalharão também na zona sul (29 de setembro) e em seguida nos distritos, incluindo Padre Nóbrega e adjacências (6 de outubro). Exceção apenas para Amadeu Amaral, que teve campanha antecipada em 2018.

Os responsáveis por cães e gatos no centro podem procurar os postos na região mais conveniente. Mais informações podem ser obtidas nesta sexta-feira, nas unidades de Saúde, ou no sábado na Divisão de Zoonoses, pelo telefone 3401-2054.

RAIVA MATA

Vacinação antirrábica 2A raiva é uma doença infecciosa que ainda mata, no mundo, cerca de 70 mil pessoas por ano. É transmitida apenas por mamíferos, através da mordida do animal infectado com o vírus do gênero Lyssavirus. Na região de Marília, há registros em bubalinos e equinos, infectados por morcegos hematófagos.

O último caso de raiva canina na cidade foi notificado em setembro de 2000. O intervalo de 18 anos sem nenhum caso decorre das ações que incluem a campanha de vacinação, por isso a importância de levar o animal de estimação para aplicação da dose.

Confira em anexo os locais de vacinação nas regiões oeste e leste.

   

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *