VISITA À SANTA CASA DE GARÇA

Presidente da Fehosp e CMB destaca melhoria para o “SUStentáveis”

Edson Rogatti gostou do hospital e falou das muitas possibilidades de aproveitamento da atual estrutura

Há poucos dias esteve visitando a Santa Casa de Garça o presidente da Fehosp (Federação das Santas Casas e Hospitais Filantrópicos do Estado de São Paulo) e também presidente da CMB (Confederação Nacional das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Filantrópicos ), Edson Rogatti, acompanhado de um candidato a deputado federal, do vereador Paulo André Faneco,  do presidente da Câmara de Garça, Pedro Santos e do ex-prefeito, José Alcides Faneco.

Eles visitaram o hospital, acompanhados do presidente da Diretoria Executiva, Mansur William Baracat e do 1º Tesoureiro, Luiz dos Santos Filho, que mostraram os principais setores e explicaram a razão da intervenção municipal. Falaram ainda das melhorias que o hospital tem recebido graças, inclusive, ao andamento burocrático necessário ao recebimento de recursos federais.

William Baracat e Luiz dos Santos Filho expuseram, tanto a Edson Rogatti como ao candidato e demais visitantes, as dificuldades por que passa a Santa Casa, mas destacaram a sua boa estrutura e os projetos que existem de melhoria no atendimento, solicitando o apoio de todos.

“SUSTENTÁVEIS” – Edson Rogatti informou que está propondo para o governo, um pagamento diferente para as Santas Casas de pequenos municípios, de hospitais menores, pagando por leito, como ocorre em Portugal, Barcelona, e em países mais desenvolvidos, para manter o hospital. Ele tem conversado com os três candidatos ao Governo do Estado que “estão mais em evidência” para que, uma vez um deles eleito, olhe com carinho para o programa “Santa Casa SUStentáveis”, para que seja aumentada a porcentagem e, em vez de ficar entre 40% e 70%, vá para 100% o repasse. E que o município participe, também, no tripartite do SUS.

Durante o 1º Encontro de Assessores de Comunicação dois Hospitais Filantrópicos, em São Paulo, em 2015, Edson Rogatti defendeu que todos devem, por meio da utilização da mídia e redes sociais, fazer pressão ao Governo Ferderal, através de reportagens e artigos, para que a Tabela SUS e o apoio aos hospitais fosse mais efetivo e saísse do simples discurso político e que a Fehosp estaria trabalhando com o mesmo objetivo. Nessa visita a Garça, depois de indagado sobre o que efetivamente foi alcançado em favor dos filantrópicos e Santas Casas de lá para cá, ele explicou:

“Infelizmente, real avanço não tivemos. Temos feito pressão sim e a mídia tem nos ajudado bastante e o que mais vemos na TV, por exemplo, e jornais, são os hospitais públicos e um exemplo é a Santa Casa de Garça. Sabemos de suas dificuldades, mas em nenhum momento ela deixou de atender aos seus pacientes aqui. Neste dia 11 de setembro está marcada a votação da MP 848, que é para a utilização do FGTS e também teremos votação no Conselho Curador do FGTS para que se aprove esse empréstimo, com base na MP assinada pelo presidente da República. Ela não vai resolver o problema das Santas Casas, mas dará um alívio, porque muitas delas têm empréstimos em bancos, com juros de 1,8%, 1,6%, enquanto agora os juros oferecidos seriam de 0,86%, oferecendo assim um fôlego, com cerca de 40% de desconto, para entrar um dinheiro no caixa para respirar”, detalhou.

Segundo o presidente da Fehosp e CMB, ele e seus apoiadores estão negociando com o governo, que diz que o aumento de preços de procedimentos da Tabela SUS não resolve o problema. “Concordamos, mas queremos que o governo, pelo menos, pague aquilo que custe. Quanto é o custo da Santa Casa de Garça? Ele tem de cobrir, porque os administradores não são obrigados a trabalhar com os déficits que estão hoje. Como se mantém o custeio da Santa Casa, se ela não recebe? E a cada dia que passa, os hospitais privados e lucrativos vão deixando de atender ao SUS. Quem irá atender? A Santa Casa”

   

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *