Corrupção é desafio para setor de infraestrutura na América Latina

Diretores de instituições públicas e privadas da América Latina destacaram nesta segunda-feira que a luta contra a corrupção é um desafio para o desenvolvimento de investimentos nas associações público-privadas.

Essa posição foi apresentada hoje durante a conferência “Infraestrutura para a Integração da América Latina”, organizada na Casa de América em Madri, na Espanha, pela CAF, empresa espanhola dedicada a fabricação de equipamento ferroviário.

“A corrupção, infelizmente, afetou e paralisou em alguns lugares o processo de crescimento”, afirmou o presidente da Diretoria da Corporação Financeira de Desenvolvimento (Cofide) do Peru, Pedro Grados.

Este especialista defendeu um crescimento da institucionalidade para que o fluxo futuro de investimentos “seja mais previsível” e considerou “fundamental” o desenvolvimento de um mercado de capital se existe o desejo de mirar a “longo prazo”.

No entanto, o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) do Brasil, Dyogo de Oliveira, comentou que é o momento de afastar-se dos “erros do passado” e ressaltou que é preciso “ainda mais união” com a integração entre os países da América Latina.

“É preciso deixar uma mensagem muito clara de que o caminho que queremos seguir não é o do conflito, mas o da cooperação internacional”, defendeu Oliveira.

Grados e Oliveira integraram o painel “Financiamento de Infraestrutura em Setores Prioritários para o Desenvolvimento Regional” durante a conferência anual CAF-Banco de Desenvolvimento da América Latina organizada pela primeira vez na Espanha.

Junto dos dois diretores participaram do diálogo o CEO do banco espanhol BBVA, José Manuel González-Páramo; o especialista sênior da CAF, Rafael Farromeque, e a diretora do Ministério de Economia e Empresas da Espanha, Pilar Más.

González-Páramo defendeu a necessidade de a região desenvolver conexões para a comunicação e realizar investimentos em banda larga, fibra óptica e tecnologia 5G para atender demandas sociais “importantes”.

“É um paradoxo que na América Latina haja custos mais altos em telecomunicações que no conjunto dos países europeus”, afirmou o executivo.

Tema recorrente neste encontro é a definição dos marcos legais para transformar o mercado de infraestrutura em um setor mais eficiente e atrativo para os investidores.

“O grande desafio é ter um marco legal e uma prática de redução de leis que sejam mais eficientes. Este é o grande desafio”, destacou o presidente do BNDES.

Oliveira assinalou que não há falta de investidores no setor, pois, segundo ele, “há gente no mundo todo que quer financiar infraestruturas”.

Esta é a primeira conferência anual CAF-Banco de Desenvolvimento da América Latina na Espanha, definida como um espaço permanente de diálogo no qual representantes políticos e do setor privado compartilharam experiências e propostas para as alianças público-privadas.

FONTE : EFE BRASIL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *