Daniel Alonso descumpre acordo e revoga comissão permanente de negociação

Publicação da revogação foi feita na edição de sábado do Diário Oficial do Município; Sindicato dos Servidores lamenta decisão e destaca que medida mostra o despreparo da administração no trato com os trabalhadores

O prefeito Daniel Alonso (PSDB) determinou a revogação da Comissão Permanente de Negociação, que foi instituída na Campanha Salarial de 2019, a partir de uma cobrança do Sindimmar (Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Marília). A medida é uma represália a posição do sindicato, que vem cobrando postura da administração em relação às negociações envolvendo direitos dos trabalhadores municipais.

Alonso está incomodado com o fato de o Sindimmar estar cobrando participação das reuniões da administração com servidores, além de atos em defesa do Ipremm (Instituto de Previdência do Município de Marília) que está fazendo pagamento escalonado por falta de repasses da Prefeitura de Marília.

A vice-presidente do Sindimmar, Bruna Marcelino, destacou que além de o prefeito Alonso não cumprir com as promessas feitas em campanha e firmadas durante negociação salarial, ainda descumpre o acordo coletivo, que firmou compromisso de formar a Comissão Permanente de Negociação. “A Comissão foi uma exigência do Sindimmar, para defender os interesses da categoria. É o canal de diálogo entre a administração e os servidores, mas essa administração não está interessada em resolver os problemas dos funcionários.Fecham pequenos acordos que não corrigem estruturalmente as distorções da categoria, amarrando alguns grupos num visível pensamento eleitoreiro”, apontou.

Na última sexta-feira, o Sindimmar divulgou nota, respondendo aos ataques do chefe do Executivo, que fez ataques a atuação da entidade sindical.

Em resposta a nota de repudio e esclarecimento do senhor prefeito Daniel Alonso, o Sindimmar (Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal de Marília) destaca que as manifestações em relação aos atrasos nos pagamentos, se devem ao descaso dessa administração com os servidores municipais, tanto da ativa quanto os aposentados e as pessoas que recebem os benefícios pelo Instituto de Previdência. Não representamos qualquer grupo político, como o senhor tenta induzir a opinião pública. Representamos os servidores e a sociedade em geral. Por isso fazemos e vamos fazer política, tornando público e do conhecimento da sociedade os desmandos dessa administração para com os servidores e para com a população de Marília.

Reconhecemos que os desmandos da administração municipal em relação ao Ipremm (Instituto de Previdência do Município de Marília) vem de décadas e de outras gestões. Mas o senhor está prefeito para resolver esse problema, como prometeu em campanha eleitoral, no que podemos reconhecer como maior estelionato eleitoral da história de Marilia. De todos os administradores, o senhor Daniel Alonso é o que causou maior prejuízo ao Ipremm, já somando quase R$ 100 milhões em atraso nos repasses obrigatórios.

Além disso, pagar no dia do vencimento (ou antes) é obrigação do poder público, uma vez que conta com estrutura de arrecadação para garantir estes pagamentos. O repasse do Ipremm foi aprovado na LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) do município e nós perguntamos: O que aconteceu para que esses repasses não fossem feitos? A disponibilização de prédios próprios para recompor a dívida do Ipremm não representou nenhum efeito prático até agora. Até porque, os eventuais compradores poderão parcelar estas compras e isso não é garantia de recuperação financeira do Instituto.

Não aceitamos ser massa de manobra de grupo político nenhum e muito menos dos atuais governantes, que vêm causando prejuízos incalculáveis para os servidores públicos municipais. Representamos os trabalhadores, que vêm sendo alvo de desmandos e ingerência dessa administração, com medidas equivocadas, perseguição por meio de sindicâncias e outras medidas que em nada contribuem para o serviço público de qualidade.

O senhor Daniel Alonso afronta a categoria ao afirmar que não aceita negociar com a entidade sindical, que tem entre seus quadros uma diretoria eleita com maioria de votos pelos funcionários públicos, o que lhe dá a representatividade necessária para defender os seus interesses. Esse governo não aceita a discussão de ideias e tenta manobras para desarticular a representação sindical. A postura do senhor prefeito Daniel Alonso só nos faz reconhecer que estamos no caminho certo, na defesa dos interesses dos servidores, na busca pela melhoria dos serviços prestados à comunidade mariliense e na preservação dos direitos dos trabalhadores. Senhor prefeito, o Sindimmar tem o total amparo dos servidores municipais e da população de Marília. Ao contrário do senhor e sua administração, que não cumpre as promessas feitas. Nós desafiamos o senhor a encarar a população nas ruas e responder aos questionamentos sobre a sua gestão. ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *