Desde 2009 só 2 times que decidiram o título fora de casa foram campeões da Bezinha

O título de 2019 do Campeonato Paulista da 4ª Divisão (Sub-23) será decidido neste sábado (dia 2), às 16h, no estádio Jaime Cintra, em Jundiaí, entre Paulista e Marília Atlético Clube (MAC).

Por ter feito melhor campanha na somatória de todas as fases, o time da casa joga por um novo empate para ser campeão, já que na primeira partida no Abreuzão, o placar terminou em 0 a 0.

De 2009 para cá, apenas dois clubes que não fizeram o segundo jogo da decisão em seus domínios foram campeões da ‘Bezinha’. Em 2010, o Taboão da Serra ganhou as duas partidas do Velo Clube: em casa pelo placar de 2 a 0 e em Rio Claro por 4 a 0.

O último vencedor da última divisão estadual, que fez o segundo confronto da final como visitante foi o Primavera no ano passado, diante do Comercial. Empate sem gols no primeiro jogo em Indaiatuba e vitória por 2 a 1 em Ribeirão Preto.

O técnico maqueano Ricardo Costa já disputou duas finais da ‘Bezinha’, sendo campeão de uma e vice de outra. Em 2016, levantou o troféu com a Portuguesa Santista contra o Desportivo Brasil. Empate em 1 a 1 no primeiro duelo em Porto Feliz e vitória por 3 a 0 na Baixada Santista.

Na temporada seguinte (2017) perdeu o título com o EC São Bernardo para o Mantiqueira, com a derrota de 2 a 1 na segunda partida em Guaratinguetá. Na ida em São Bernardo do Campo, o placar foi de 1 a 1.

Vice em 1999

Em 1999, o MAC conquistou o acesso no Campeonato Paulista da Série B1-A (atual ‘Bezinha’) sendo vice-campeão. Porém, na ocasião foi realizado um Quadrangular Final, com: Barretos, Independente de Limeira e Guarulhos. Todos jogaram entre si em dois turnos e somente os dois primeiros colocados subiam.

O Independente levou o título ao somar 14 pontos e o Marília foi o vice com 11. Barretos teve quatro e Guarulhos terminou com dois.

Homenagem

Hoje (dia 30), às 15h, no estádio Bento de Abreu, o meia Ícaro será homenageado pela diretoria com uma placa, pelo gol marcado no dia 23 de agosto, na goleada de 4 a 0 sobre o Tupã, no Abreuzão.

Na ocasião, o jogador maqueana fez o gol que Pelé não conseguiu marcar na Copa do Mundo de 1970, com um drible de corpo no goleiro adversário.

FONTE : JORNAL DA MANHÃ

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *