Estátua na Universidade de Tóquio mostra reencontro de Hachiko com o seu dono

Quem mora no Japão provavelmente já parou para bater uma foto ou contemplar a famosa estátua do solitário cão Hachiko, em frente à estação de Shibuya em Tóquio.
A escultura é símbolo da triste história do cão da raça akita que, mesmo após a morte do seu dono, o professor Hidesaburo Ueno, continuou a trajetória diária até a estação de Shibuya, na esperança do reencontro.
Ueno era professor do departamento de agricultura da Universidade de Tóquio e matinha uma rotina profunda com o cão, que o acompanhava até a estação todas as manhãs e esperava, no mesmo lugar, o retorno do dono no fim do dia.
Porém, em maio de 1925, o professor sofreu um derrame quando estava na faculdade e acabou morrendo. Mas o cão, persistente, continuou esperando por ele até a sua própria morte, quase dez anos depois.
E a estátua que simula o reencontro de Hachiko com o professor foi erguida no Departamento de Agricultura da Universidade de Tóquio como mais uma homenagem a emocionante história que é lembrada até hoje.
A obra foi produzida pelo escultor Tsutomu Ueda, de Nagoia (Aichi) e foi bancada com um fundo de ¥10 milhões, obtido através de doações. Esta não é a primeira obra relacionada do artista. Outra estátua de Hachiko e Ueno pode ser contemplada na cidade de Tsu (Mie), terra natal do professor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *