Grande terremoto de Kobe completa 24 anos e é relembrado com homenagens

 O Grande Terremoto de Hanshin-Awaji, ocorrido às 5h46 da manhã de 17 de janeiro de 1995, completou 24 anos nesta quinta-feira (17) e foi relembrado com muita dor, homenagens e orações, informou uma reportagem da emissora NHK.
O desastre, que vitimou 6.434 pessoas, a maioria em Kobe (Hyogo), é relembrado anualmente com o famoso evento de iluminação Kobe Luminarie, que expõe cerca de 200 mil luzes pintadas manualmente, no centro da cidade.
Na manhã desta quinta-feira, familiares, amigos e moradores da região se reuniram para prestar homenagens as vítimas da tragédia.
De acordo com as informações da prefeitura local, o evento, sediado no parque Higashi Yuenchi, reuniu cerca de 5.500 pessoas pela manhã, 1.800 visitantes a mais do que no último ano.
O dia também serviu para refletir sobre os desastres naturais e a importância do preparo. Eventos de homenagens as vítimas, reuniões de prevenção de desastres e treinamentos preventivos marcaram as atividades na região.
Apesar do preparo e da preocupação para reduzir o dano dos desastres naturais, a cidade de Kobe ainda possui desafios pela frente. 
Um levantamento da emissora NHK mostrou que apenas 20% dos moradores das casas construídas antes do terremoto de 1995 verificaram a resistência da estrutura.
Para os especialistas, essas casas estão em risco de desabamento no caso de ocorrer uma nova tragédia de mesma escala.
RELEMBRE A TRAGÉDIAO terremoto de Hanshin-Awaji atingiu magnitude de 7,3 e teve o seu epicentro ao norte da ilha de Awaji, a 20 km da cidade de Kobe. 
O abalo, que teve duração de 20 segundos, foi sentido com mais força na capital de Hyogo. Kobe era uma cidade que se destacava pela densidade populacional.
Na época, o terremoto ficou conhecido como o pior das últimas cinco décadas. Além das mais de 6 mil vítimas fatais, a tragédia deixou um saldo de 35 mil feridos e cerca de 300 mil desabrigados.
A falta de preparo e o horário cedo em que ocorreu o desastre contribuiu para um elevado número de vítimas, já que a maioria delas ainda estava dormindo quando o terremoto ocorreu.
A cidade também abrigava uma comunidade de brasileiros na época e oito acabaram morrendo no desastre.

FONTE : ALTERNATVA ON LINE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *