Japão teve 474 casos de bullying com suicídio em 2017; governo analisa prevenção

Para reduzir os casos graves de bullying, que envolvem suicídio, o Ministério da Educação do Japão (MEXT, em inglês), divulgou que irá recolher e analisar cópias dos relatórios sobre cada caso, emitidos por comitês investigativos montados após a ocorrência de um suicídio no âmbito escolar.
Os relatórios servirão de base para que o Ministério possa discutir planos preventivos com especialistas, informou uma reportagem da emissora NHK.
Para que fosse possível descobrir os casos de bullying antes do agravamento, o Ministério passou a solicitar que as escolas relatassem qualquer caso de confronto entre estudantes, mesmo que parecesse “bobo” ou sem importância.
O resultado disso foi um crescimento repentino nos casos anuais. No último ano, as escolas em todo o país reportaram 410 mil ocorrências, o número mais alto de todos os registros.
Os casos graves, que terminaram em suicídio, somaram 474 no ano fiscal de 2017 (de abril a março de 2018). Foram 78 casos a mais em comparação ao ano fiscal anterior.
Os comitês investigativos para casos de suicídios foram montados em pelo menos 69 locais em todo o país, de acordo com os levantamentos de organizações não-governamentais.
No entanto, o governo não estava analisando os relatórios emitidos por esses comitês e por isto não tinha conhecimento dos detalhes que envolvem um caso de bullying que termina em suicídio.
De acordo com o professor Yoji Morita, da Universidade de Educação de Naruto (Tokushima), a medida pode resultar em um plano preventivo mais eficiente.
“Através da análise de cada relatório, é possível construir uma base preventiva e aprofundar as discussões sobre como recuperar a dignidade das crianças que foram vítimas desta prática”, explicou, em entrevista para a NHK.
FONTE : ALTERNATIVA ON LINE
   

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *