Justiça revoga mandado de prisão contra Cristina por acordo com o Irã

A Justiça da Argentina revogou nesta segunda-feira um mandado de prisão preventiva expedido contra a ex-presidente e atual vice-presidente do país, Cristina Kirchner.

O Tribunal Oral Criminal Federal de Buenos Aires decidiu tornar sem efeito o mandado expedido pelo juiz Claudio Bonadio, que investiga a assinatura de um memorando de entendimento entre o governo de Cristina, então presidente da Argentina, e o Irã.

O acordo é investigado após denúncias de que ele seria só um pretexto para encobrir a participação de iranianos no atentado contra a sede da Associação Mutual Israelita Argentina (Amia) em 1994. O ataque deixou 85 mortos e segue impune.

O pacto, declarado ilegal na Argentina e não ratificado no Irã, pretendia abrir uma investigação conjunta do ataque. A autoria do atentado é atribuída ao grupo xiita libanês Hezbollah e a ex-funcionários do alto escalão do governo iraniano.

Apesar de o mandado de prisão ter sido expedido a dois anos, ele nunca foi cumprido. Eleita senadora, Cristina tinha foro privilegiado. Para detê-la, era necessário que o Senado aprovasse o pedido, o que nunca ocorreu.

As investigações começaram com o promotor Alberto Nisman, que foi encontrado morto no apartamento em que vivia pouco depois de denunciar Cristina de tentar encobrir a participação de iranianos no atentado.

A morte de Nisman também não foi esclarecida e é um assunto que gera grande polêmica no país.

Cristina ainda enfrenta vários processos judiciais e mandados de prisão preventiva. Em um deles, que ficou conhecido como “Cadernos das Propinas, ela é acusada de corrupção. A ex-presidente se diz inocente e vítima de uma perseguição da Justiça.

Nesta semana, a Justiça da Argentina também revogou três mandados de prisão contra três ex-funcionários dos governos de Cristina que estavam presos por corrupção por envolvimento no caso dos “Cadernos das Propinas”.

FONTE : EFE BRASIL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *