Lojistas propõem ‘rodízio’ e estimam poupar 9,4 mil empregos

Abrandamento da quarentena a partir do dia 1º de junho poderá salvar mais de 9,4 mil postos de trabalho no comércio de Marília. O cálculo é de entidades do setor, que elaboraram um plano de reabertura, prevendo metade dos segmentos lojistas funcionando pela manhã e outra metade durante a tarde, para reduzir risco de contaminação pelo novo coronavírus.

A proposta (veja abaixo como funcionaria o rodízio) é assinada pela Associação Comercial e Industrial de Marília (Acim), o Sindicato dos Hotéis, Restaurantes, Bares e Similares de Marília e o Sindicato do Comércio Varejista.

As categorias alegam que, sem reabertura, haverá perda de 35% nos empregos do setor em Marília, com 9.450 baixas em carteira de trabalho no mês de junho.

A Acim afirma ter obtido o número na consulta informal a uma parcela de empregadores. A intenção é demitir mais de um terço da mão de obra. Grande parte dos trabalhadores já estão em antecipação de férias, redução de jornada ou suspensão de contrato de trabalho.

A proposta das entidades surgiu após videoconferência com lideranças de cidades que fizeram a reabertura e, segundo os dirigentes da associação comercial, não experimentaram propagação descontrolada de Covid-19.

O prefeito Daniel Alonso (PSDB) e o presidente da Câmara, Marcos Rezende (PSD) participaram dos intercâmbios, que conectaram Marília com Maringá (PR), Londrina (PR), Campo Grande (MS), Dourados (MS) e Cuiabá (MT).

Em nenhuma das cidades houve contaminação, segundo a Acim, de comerciários após a reabertura, que aconteceu há mais de 15 dias. Em todos os municípios foram adotadas medidas de higiene e fiscalização reforçadas.

Lojas em rodízio

As entidades propõem abertura em dois turnos, por segmento de atuação, com metade dos estabelecimentos abrindo das 9h às 13h30 e outra metade das 13h30 às 18h, de segunda a sexta-feira. (confira abaixo a relação dos segmentos)

Pelo plano, aos sábados o comércio abre das 9h às 12h, mas com os grupos lojistas se alternando. Ou seja, primeiro sábado, abrem apenas as lojas do primeiro turno. No sábado seguinte, funcionam os outros segmentos, enquanto o primeiro fecha.

Os bares, restaurantes e similares poderão ter funcionamento liberado, seguindo rigorosamente os protocolos de higiene, distanciamento e quantidade limitada de pessoas no estabelecimento.

A proposta foi apresentada na reunião do Comitê de Enfrentamento à Covid-19 na manhã da última sexta-feira (22), segundo a Prefeitura, com aprovação dos integrantes. O plano também foi exposto a autoridades do governo do Estado, durante videoconferência à tarde.

O prefeito Daniel Alonso (PSDB) se manifestou otimista com a proposta, que segundo o Executivo faz parte do “Plano Marília em Combate”.

“Deixamos claro ao secretário Marco Vinholi que o comércio de Marília não está aguentando mais a situação e precisa ser reaberto, evidentemente seguindo todas as normas de segurança. Os demais prefeitos que falaram depois, também seguiram na mesma linha, ou seja, a expectativa é que o governador realmente faça essa flexibilização, principalmente no interior, com retomada responsável já no dia 1º de junho”, disse Daniel.

Primeiro turno: 9h às 13h30;

– Bazares e Armarinhos;
– Bebês e Companhia;
– Bolsas;
– Calçados;
– Casa e Decoração;
– Concessionária de Automóveis e Veículos;
– Confecção, moda e acessórios;
– Cosméticos e Perfumarias;
– Cuidados pessoais;
– Flores, Cestas e Presentes;
– Papelarias e Livrarias;
– Presentes.

Segundo turno: 13h30 às 18h;

– Adegas;
– Brinquedos e Games;
– Celulares e Acessórios;
– Eletroeletrônico;
– Esporte e Lazer;
– Fotografias;
– Informática e Suprimentos;
– Instrumentos Musicais;
– Joalherias;
– Móveis
– Multicoisas;
– Tabacarias;
– Outros segmentos.

FONTE : MARÍLIA NOTICIAS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *