Metrô de Tóquio pode entrar em colapso durante as Olimpíadas, diz especialista

O sistema de metrô de Tóquio, conhecido por sua pontualidade, eficiência e superlotação, será efetivamente testado quando centenas de milhares de visitantes estrangeiros chegarem à capital japonesa para as Olimpíadas de 2020, disseram especialistas.
Quase 20 milhões de pessoas usam o transporte público diariamente na área metropolitana de Tóquio, lar de mais de 35 milhões de pessoas.
Os Jogos poderiam atrair 600 mil pessoas para a cidade no final de julho e início de agosto, normalmente a época mais quente do ano, disse o Ministério da Terra, Infraestrutura, Transportes e Turismo.
O sistema de metrô de Tóquio já está acima da capacidade, aumentando os temores de um congestionamento ainda pior quando os visitantes usarem os trens, especialmente durante a hora de grande movimento, disse Azuma Taguchi, professor da Universidade Chuo que estudou o assunto.
Um vagão de trem tem capacidade para 143 a 162 passageiros, segundo as companhias ferroviárias do Japão.
“Atualmente, no momento de pico, você pode estar em um trem com 200% de sua capacidade”, disse Taguchi à Reuters, alertando que 300% da capacidade colocaria o sistema de metrô em colapso.
“Existe a possibilidade de que o número aumente consideravelmente durante as Olimpíadas”, disse ele.
Algumas estações se sairiam pior do que outras. Shinjuku já é conhecida como a estação de trem mais movimentada do mundo, com 3,5 milhões de passageiros por dia.
Usuários diários, como Yuki Sugiyama, se preocupam com a forma como os administradores vão começar a trabalhar quando a Olimpíada começar, daqui a dois anos.
“Eu uso o metrô de segunda a sexta-feira, então, se houver um grande evento nesses dias e ficar lotado, o pior cenário é que eu não poderei entrar nos trens”, disse Sugiyama.
Os Jogos Olímpicos de Tóquio ocorrerão de 24 de julho a 9 de agosto de 2020 e as Paralimpíadas de 12 dias terminam no dia 6 de setembro.
MUDANÇA DA CULTURA DE TRABALHO
Os londrinos tiveram os mesmos medos quando receberam as Olimpíadas em 2012, mas as empresas ajudaram incentivando seus funcionários a não usar o transporte público durante os Jogos.
No entanto, na cultura de trabalho do Japão, onde os funcionários devem comparecer em horas regulares, mesmo com mau tempo, pode não haver muita flexibilidade.
Por exemplo, os funcionários de escritório geralmente esperam até o último minuto para deixar o escritório antes de um tufão, gerando congestionamento em massa nas estações e nas plataformas de trens.
Milhares de passageiros ficaram presos durante horas fora da estação de Shinjuku no mês passado, quando o tufão Trami forçou as autoridades a fechar as linhas de trem para verificações de segurança.
O governo de Tóquio introduziu um esquema no ano passado chamado “Jisa-Biz”, traduzido como “diferença de horário de deslocamento”, que eles esperam ajudar a aliviar o problema.
O plano encoraja as empresas a ajustar as horas de trabalho dos funcionários e abrir escritórios satélites longe de áreas ocupadas. Mais de 840 companhias aderiram ao esquema, incluindo a empresa de telecomunicações NTT East.
Kazumi Hasegawa, um funcionário da NTT East de 42 anos, trabalha em um escritório satélite alguns dias por mês, evitando uma viagem de 50 minutos até seu local de trabalho principal. Ele disse que uma mudança na cultura de trabalho era necessária para o esquema ter sucesso durante as Olimpíadas.
“É importante trabalhar nisso agora, para melhorar o ambiente e mudar nossa mentalidade para que possamos lidar com coisas como as Olimpíadas”, disse ele.
FONTE : ALTERNATIVA ON LINE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *