OMS suspende definitivamente testes clínicos com hidroxicloroquina

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta quarta-feira o fim definitivo dos testes clínicos com hidroxicloroquina no tratamento de pacientes com Covid-19, decisão tomada dois dias após a mesma medida ser tomada pelos Estados Unidos, um dos países que mais tinha apostado no medicamento.

“Com base em evidências divulgadas pelos estes Solidarity (patrocinados pela OMS) e Recovery (realizados pela Universidade de Oxford), concluímos que serão interrompidos os testes com hidroxicloroquina”, disse Ana María Henao, diretora do Plano de Ação para Pesquisa e Desenvolvimento da entidade.

Em entrevista coletiva, a especialista colombiana destacou que as duas pesquisas mostraram que o uso da hidroxicloroquina “não reduz a mortalidade dos pacientes com Covid-19”.

A OMS já tinha suspendido os testes em maio, após a publicação de um estudo na revista “The Lancet” que alertava sobre um aumento na mortalidade de pacientes tratados com o fármaco. Os testes foram retomados depois de uma retratação dos quatro autores do artigo.

Coincidindo com a retomada, os estudos Recovery concluíram que o tratamento com hidroxicloroquina não havia reportado benefícios aos pacientes estudados, o que aumentou a confusão a respeito do assunto.

Na segunda-feira passada, a agência americana Food and Drug Administration (FDA) retirou a autorização do uso emergencial da hidroxicloroquina em pacientes graves com Covid-19, ao também concluir que o procedimento não estava sendo efetivo.

A hidroxicloroquina é um medicamento utilizado há décadas em doentes de malária. Durante os dias em que a OMS paralisou os testes, o procedimento continuou sendo utilizado no Brasil e nos Estados Unidos, os dois países com o maior número de casos de Covid-19.

O fim dos testes coincide com a descoberta, também por parte da Universidade de Oxford, de que o uso da dexametasona pode reduzir consideravelmente a mortalidade de pacientes graves de Covid-19, o que a OMS considerou um grande passo no combate à pandemia.

FONTE : EFE BRASIL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *