Presidente Marcos Rezende lamenta perda de Maria Lúcia C. Gianvecchio

O presidente da Câmara Municipal de Marília, vereador Marcos Rezende (PSD), lamentou a recente perda da artista plástica e uma das presidentes da Associação Mariliense de Artistas Plásticos, Maria Lúcia Carvalho Gianvecchio, aos 80 anos. “Maria Lúcia foi um dos maiores nomes das artes plásticas de nossa cidade, expondo inclusive em espaços renomados, como o Museu de Arte de São Paulo, o Masp, e o Anhembi”, salientou.

Filha do primeiro cirurgião-dentista de Marília, o saudoso doutor Victor Gianvecchio e da senhora Maria Aparecida Carvalho Gianvecchio, a artista plástica assinava suas obras com a inicial M. e o nome Lúcia, M. Lúcia.

Com a tela ‘Infortúnio’, por exemplo, a artista mariliense conquistou prêmio em mostra organizada pelo Masp (Museu de Arte de São Paulo ‘Assis Chateaubriand’). De acordo com as informações da sua filha, Lucilene Gonzalez, sua mãe iniciou na arte da pintura logo depois que se casou com seu pai, Ademar Gonzalez, e o casal se mudou para uma fazenda, na zona rural de Oscar Bressane. Foi nesta propriedade, a Fazenda Mombuca, que o talento artístico de M. Lúcia floresceu. “Ela começou a pintar sozinha, sempre utilizando a tinta óleo. Mais tarde, quando os filhos começaram a cursar o primário, a família optou por se mudar para a cidade”, contou. Em território urbano, Maria Lúcia buscou o aprimoramento na técnica da pintura e teve aulas com Braz Alécio.

Mais tarde, ao lado do mestre Braz Alécio e outros artistas, como Sônia Lombardi e Haydée Monteiro, Maria Lúcia ajudou a fundar a Associação Mariliense de Artistas Plásticos, a Amarp, entidade que viria a presidir.

“Importante ressaltar”, observou o presidente da Câmara Municipal, Marcos Rezende, “que além de ter suas telas e seu trabalho expostos em diversos salões de arte contemporânea e em espaços renomados, Maria Lúcia também promovia a popularização da arte expondo quadros em praças, como a da avenida Sampaio Vidal no centro de Marília”, contou.

Nascida em Marília em 11 de setembro de 1940, a artista plástica teve quatro filhos: Lucimar, Luciani, Lucilene e Adhemar. Quando a família optou por deixar a fazenda Mombuca e se mudar para Marília, moraram por um período no bairro Salgado Filho, na rua Carajás, e, posteriormente, na rua Bonfim, no bairro Alto Cafezal. “Mãe carinhosa, amorosa e sempre pronta para ajudar a todos”, destacou a filha Lucilene Gonzalez.

Sempre se manteve perto das telas, dos pincéis e da sua arte. Faleceu aos 80 anos, no dia 22 de junho vítima da covid-19. “Mulher guerreira e, com sua fé e coragem, passou por todos os percalços que a visa lhe impôs”, relatou a filha. Além dos 4 filhos, deixou 11 netos e 10 bisnetos.

O retrato do Dr. Ulysses

A artista plástica mariliense Maria Lúcia se especializou em retratos, embora também tenha produzido telas sobre diversos temas. A partir de uma encomenda e com base numa fotografia, retratou o advogado e deputado federal Ulysses Guimarães, um dos responsáveis pela redemocratização do Brasil e presidente da Assembleia Constituinte de 1988. O retrato assinado por M. Lúcia do ‘Senhor Diretas’ decorava o gabinete do político à época em que ele veio a falecer, vítima de um acidente aéreo ocorrido em 12 de outubro do no ano de 1992.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *