Qual foi a última vez que tomou uma atitude?

Em algum momento de sua vida já se questionou? Já parou para pensar?

Se sim, parabéns! Se sentiu feliz em descobrir isso e mudou radicalmente suas atitudes se tornando uma pessoa melhor? Não? Pense um pouco? Nunca? Então, você tem preconceito de si mesmo! Julga que se conhece, mas não sabe nem quais são seus os próprios defeitos e diz: todos estão contra mim! Cuidar não seja um visionário — isso se chama, teimosia!

Quando fala em preconceito logo se pensa em discriminação, mas raramente se pára realmente para pensar, criticar e praticar o oposto. Ao contrário do que possa pensar, é tudo aquilo que acha saber, mas nunca procurou entender, apenas saiu replicando a ideia do que poderia ser determinada coisa.

Uma pessoa te indica um bom livro para leitura, como, por exemplo, a Bíblia Sagrada e que ela vai revolucionar a sua vida, uma maneira diferente de treinar a sua mente, uma nova ideia! Logo pensa que isso é bobagem, que só pode ser mentira, que é jogar o preciso tempo fora, que não é bem assim, que tudo isso é ilusão desse povo iludido a beira do caminho… Então eu te pergunto: com base em que você tirou essa conclusão? Após família, amigos, que foi influenciado por uma massa sem informação?

Já experimentou ser diferente? Foi ver se era bom? Então! Não diga que isso é ilusão pelo simples fato de ter medo de mudar. Se critique, ria de si mesmo, faça algo diferente! Sem pensa que já é bom o suficiente que não possa melhorar, sem medo de se entregar, de mudar, de viver!

Observar profundamente a si mesmos e analisar como se desenvolver com os outros; reconhecerão sua própria identidade e o respeito. Também descobrirá a interconexão com os outros e verá como as relações e experiências formam a sua própria identidade.

Antes de prosseguir, avalie, como participante e aprenderá a utilizar um bom modelo de avaliação, o progresso.
Isso tem uma explicação e sei que vai me entender. Quando vitimizando, estamos colocando em uma posição de impotência perante um poder externo à nossa vontade, como se não tivéssemos nenhuma escolha. Às vezes passamos por situações onde conscientemente não escolhemos passar, porém, podemos escolher como lidar com eles uma vez que já aconteceu. Neste ponto que somos vítimas, entregando o nosso eu ao outro. Podemos nos machucar, nos frustrar, nos rejeitar. Nestes momentos, a única maneira de recuperar nosso poder pessoal é reconhecendo que de alguma forma escolhemos aquilo, nós é que conseguimos nos deixarmos tristes ou felizes, só podemos fazer isso. Reconheça! Então, o que você está escolhendo acreditar? Escolha outra coisa, você pode! Sei bem o que é isso.
Muita coisa fere por dentro; a máscara que arrumamos para não demonstrar nossa mágoa e insegurança, a preocupação com a aparência para disfarçar. Existe tanta coisa por trás deste comportamento.

O preconceito me serviu como uma boa desculpa por muito tempo, dizer que a culpa é do outro, acreditando que o problema não era comigo, afinal, eu tinha obrigação de ser, mais não procurava.

Aquele que é dono de suas escolhas e busca uma vida livre, é ameaçador, tem medo de olhar para si, de se libertar de suas próprias amarras. Se aceitar incondicionalmente do jeito que você é, sem necessidade de aprovação alheia. Isso vale para qualquer que seja a sua queixa, pois é uma infantilidade e até arrogância esperar que todos gostem, que todos irão com a sua cara e que todos tem a obrigação de ajudar, busque estratégia de controle e use ao seu favor. O preconceito é uma estratégia do ego para não precisar passar pela difícil provação de se valorizar, apesar de toda pretensão de ser diferente que se é. A vida não é mais fácil para um e para outro, ela aflige a todos. Não importa o quão elevados acreditamos que sejam nossos valores, são apenas julgamentos. O equilíbrio interno que todos almejamos virá do mesmo aprendizado. A falta de autoaceitação de si próprio e autoestima acarreta inúmeros outros pontos de vista distorcidos, como a necessidade de agradar a todos, por exemplo. O medo de assumir-se, de dizer o que pensa, de seguir sua intuição, de ser criticado, rejeitado, abandonado… Enfim, todas as amarras que nos privam de nossa realização. Todas surgem da falta de confiança de si próprio em primeiro lugar.

Pare de ter preconceito de si mesmo, de replicar a ideia de quem você pensa que é, procure se entender e conhecer até a última lágrimas. Dê a cara, a única coisa que pode acontecer é você ter a certeza de que estava certo, ou… perceber o quanto você foi otário por não ter sabido antes o quão bom é ser “Feliz”!

Não pensa que vai mudar a vida muito rapidamente. Tem gente que pensa que mudanças sérias e fundamentais na vida acontecem muito rapidamente. Mudança é um processo, porque tem que haver renúncia, ruptura.

Quer mudar?
Se assuma. Saiba que vai ter correção de rota. Está pensando que mudar é fácil? Toda mudança por menor que seja, gera uma crise inicial, mas ela sempre vai gerar aprendizado, e isso leva tempo.

Decida mudar a partir de hoje e comece o processo de mudança. Se começar mesmo que seja devagar vai chegar ao término. Entre nesse processo de mudança e delicie-se com os resultados que virão.

Deus tem interesse em seu crescimento espiritual, emocional, financeiro. Ouse!as Acreditar na mudança e seja abençoado!
Bem-vindo a realidade!

Quem observa o vento, não semeará, e o que atenta para as nuvens não segará.
(Eclesiastes, 11:4)

Deus te abençoe!
Pr. Josivaldo Lyra.
CCPSP2018
CAFÉ COM PASTORES — SP
Endereço eletrônico: ccpsp2018@gmail.com
WhatsApp: 14 988 056 852
Celular: 14 981 003 557.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *